Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
+55 (11) 4506-3239
academy@glsolutions.com.br

30 jun 2011

Lançamento WebSphere Application Server 8 no Brasil

/
Postado por
/
Comments1

Ontem tive o prazer de participar do lançamento do WebSphere Application Server 8 no Brasil realizado ontem dia 29/06/2011 localizado na IBM em São Paulo na Rua Tutóia, 1157.

A versão 8 trouxe muitas novidades que em minha opinião serão de muita ajuda para o dia a dia tanto na administração quanto no desenvolvimento. Veja abaixo quais são as principais novidades dessa nova versão.



Suporte a versões anteriores
O Suporte a versão do WebSphere Application Server 6.1 irá até 30 de setembro de 2012.


Cluster no WebSphere Application Server Base
Uma das boas novidades na versão 8 é que o WebSphere Applicatin Server 8 Base terá suporte a cluster até 5 perfis, não necessitando de um servidor ND (Network Deployment) neste caso.



Drag & Drop
Para os desenvolvedores esta deve ser umas das melhores notícias. Agora, é possível utilizar o suporte a drag & drop para deploy de portlets da mesma forma como funciona no Jboss. Além disso, ao arrastar a app para o diretório de deploy, o start é feito de forma automática. As vesões são Base e DN incluindo para plataformas z/OS. Tipos suportados por drag & drop são EAR, WAR, JAR e SAR.


Features packs

A última versão com feature Pack foi a 6.1, a partir da 7.0 os features packs não irão mais existir. Portanto teremos versões como 8.0, 9.0, 10.0, etc, acompanhando sempre a última versão da JDK. Tudo será encapsulado nas novas versão.




Web 2.0 e Mobile
Web 2.0 mobile: Agora está disponível nos features packs 6.1, e versões 7 e 8.


SCA (Service Component Architecture)

Programando modelos, incrementando, reusando e implementando o aceleramento de inovações de aplicações entregando e gerenciando em SOA.



Java Batch programming model

Mais uma novidade é a o container para controlar batch. Reutilizar habilidades existentes de forma rápida e com custo eficaz desenvolver, implantar e gerenciar aplicativos em lotes.



Session Initiation Protocol (SIP)

Plataforma de voz. Desenvolver, fornecer e gerenciar poderosa em larga escala de missão crítica serviços de comunicações convergentes e aplicações.

Convergente de serviços web e suporte SIP adicionando ao já existente HTTP e Servlet container SIP, para integrar aplicações web e serviços de comunicações em uma aplicação baseada em SIP para um tempo mais rápido para o valor e aumento da agilidade de negócios para uso simplificado de back-toback os agentes do usuário (B2BUA) através da nova classe B2BUAHelper para ajudar a aumentar a produtividade do desenvolvedor.



Communications Enabled Applications (CEA)
Proporcionar experiências de interatividade entre os usuários, adicionando capacidades de comunicação, como o click to call e cobrowsing, para aplicações web.


Websphere sMach

Websphere smach que possui a habilidade de proporcionar ao desenvolvedor construir e desenvolver aplicações para web 2.0 agora passa d ter suporte a outras linguagens scripts incluindo o PHP.



Desenvolvimento

Como já era esperado, a plataforma suportada para desenvolvimento de aplicativos para WebSphere Applicationb Server 8 é o tradicional Rational mas agora BA versão 8. Necessario para obter tudos os features packs necessários para o desenvolvimento.


Ferramenta de Deploy

Muda novamente a ferramenta de deploy: IADT (IBM assembly and deploy tools for websphere). Ferramentas IADT substitue o anterior IBM Rational Application.

  • Desenvolvedor Assembly.
  • Importa e valida as aplicações
  • Editar descriptors de implantação e arquivos de ligação
  • Edita configurações de EAR
  • Cria e debuga scripts em Jython e wsadmin
  • Instala EJB e web services
  • Instala aplocações local ou remotas no WAS8
  • Debug de aplicações no WAS8

Suporte a adapters

Essa é uma notícia incrível, acreditem a partir de agora tem suporte a adapters.
IBM WebSphere Adapters 7.5
  • SAP Software
  • Siebel Business Applications
  • Oracle E-Business Suite
  • JD Edwards EnterpriseOne
  • PeopleSoft Enterprise

Suporte para desenvolvimento e testes para WebSphere Application Server como parte da licença do WAS8.


Para produção, requer licenças separadas do WebSphere Adapters.

Desempenho

De acordo com os especialistas houve grandes mudanças no desenvolvimento do WAS8 onde existe um ganho significativo de desempenho e facilidades.

Redução de tempo na instalação, cluster, desempenho de apps, deploy, configurações.



Integridade transacional

Nenhuma transação é perdida. Alta disponibilidade a console de administração. Diminui a expectativa de tempo de parada operacional. Claro que estes ganhos possuem maior confiabilidade usando DB2. Sem dúvida se estende a outros produtos com suporte como SQL, Oracle.






Alta disponibilidade

Melhorias na alta disponibilidade usando was for z/os Através do installation manager, instalação do was, fixpacks, etc.



Centralized Installation Manager (CIM)
Repositorio de instalacao de fixpacks. Tudo configurado a partir do job manager.



High Performance Extensible Logging (HPEL)

Melhora no desempenho de logs e traces. Tudo feito através da console administrativa. O layout ficou menos poluído. Para ambientes UNIX, existe a opção de tail para acompanhar os logs em tempo real. HPELUtiliza objetos. 



Recuperar e criar células através de um template.

Através do backupconfig é criado um template do modelo do node. Caso ocorra a perda de algum node, é possível recuperar este node através do template gerado pelo backupconfig.




SSO
O Single Sign On agora pode ser feito através de token SAML.

Migração

Agora é possível migrar Oracle e Jboss para WebSphere. De acordo com a palestra o nível de complexidade de migrar de um Oracle para WebSphere é o mesmo de migrar de um WebSphere anterior para a nova versão 8.



A IBM e o Open Source.

Virtualização e cloud. Reduz custo e aumenta a automatizacao. Alocar recursos de hardware com base na carga de trabalho. Websphere Ve. Pool de recursos, aplicações virtualizadas utiliza da camada websphere virtual enterprise.


Websphere Application Server Hypervisor Edition

Websphere application server hypervisor edition, que esta disponível em suse, aix e redhat contendo was, http server, so, nd, nodes estando pronto para ser utilizado em uma maquina virtual na empresa.


Soluções de caching
Datapower XC10 appliance. Orientado a dado. Extreme scale, orientado a aplicação.


OSGi

Acelera o desenvolvimento, incrementando facilidades de uso e reuso pela modularidade, dinamismo e capacidades de versionamento osgi, aplicados na web e aplicações corporativas. OSGi verifica versões durante o processamento de apps sem a necessidade de parar o deploy ou atualização. O jar precisa ser criado especifico para osgi. Extensão .eba que possui características para osgi. O eba nada mais é do que um arquivo war.


A diferença entre o OSGi e o Shared Library é a possibilidade do OSGi fazer o versionamento das apps. O shared library não possui esse recurso.


Federação x CUR (Custom User Registry)
Infelizmente ainda existe a necessidade de utilizar a CUR para conctar a reposítórios de usuários que estão em banco de dados. Uma das esperanças pelo menos da minha parte seria o suporte a banco de dados pela federação. Mas existe uma explicação para isso. A IBM possui um produto chamado Tivoli Directory Integration onde ele consolida vários repositórios de usuários incluindo banco de dados. Se este recurso estivesse disponível no WAS8, talvez muitas empresas que utilizam o TDI deixariam de renovar a licença partindo para o suporte direto no WAS8.



Conclusão

Todas estas novas facilidades e novidades somente estarão comprovadas quando for colocado em funcionamento. Em apresentações tudo ocorre maravilhosamente bem, mas na vida real a situação muda pois as empresas possuem particularidades próprias onde existe a necessidade de customização. O que mais me impressionou foi com relação à migração de produtos concorrentes como Oracle e Jboss para WebSPhere. Sei que migrações são complexas e extensas e exige um grande cuidado, pois existem aplicações de terceiros e mesmo paradigmas proprietários de cada produto. Não quero ser cético neste assunto, mas gostaria de ver como isso funciona realmente na prática. Outra facilidade e muito solicitada no mundo de desenvolvimento foi o drag & drop na instalação de apps. De certa forma é sim uma ótima forma de deploy, mas devemos ter cuidado com esse tipo de situação, pois quando o diretório onde se localizam as apps for apagado, todas as apps são desinstaladas. Em um ambiente de desenvolvimento sem dúvida é útil e deve ser dessa forma, mas quando se trata de ambientes de produção, em minha opinião, utilizar scrips para automatizar deploys é muito mais seguro. Sem contar que o drag & drop teria que ser feito em cada servidor manualmente. Para aqueles que possuem a manutenção ativa tem direito a versão 8. Conhecendo o WebSphere Applicaton Server como um servidor seguro, flexível e robusto, tem tudo para dar certo, pois as versões anteriores atenderam a demanda e as necessidades das empresas e usuários facilitando de forma inteligente processos, segurança serviços e entrega.

1 Response

Deixe um comentário